terça-feira, 3 de novembro de 2015

HIPERTROFIA E LESÃO NA COLUNA - HÉRNIA DE DISCO - ADAPTAÇÕES NO TREINAMENTO E EVOLUÇÃO


[Este post foi AMPLIADO - TEXTO e IMAGENS - às 18h00 da terça-feira 31/maio/2016]
[DICAS PARA O DIA-A-DIA SEM DORES]
[TREINAMENTO PARA HIPERTROFIA DE MEMBROS INFERIORES]
[DETALHES NA EXECUÇÃO DE MOVIMENTOS PARA EVITAR LESÕES]

Há um tempão estou para falar sobre a crise pela qual passei em março/abril de 2015 e a lesão na coluna, sobre as mudanças que as dores, o afastamento e o diagnóstico das condições físicas causaram na minha vida, a programação de treinos completamente reformulada, bem como o que hoje evito ou faço diferente. 

Enfim, contar como a lesão na coluna lombar (entre outros probleminhas, como a osteoartrose do quadril esquerdo) acabou significando uma incrível oportunidade de evolução, de aprendizado e de autoconhecimento, ainda mais com o inesperado ganho de massa muscular, o que me leva a considerar os últimos meses como um período de transformação e de vitória pessoal.


Claudia Vilaça - 53 anos - 01/novembro/2015

Atleta FIGURE
Fisiculturismo Natural - BRASIL
INBA Natural Bodybuilding - BRAZIL


Desde outubro passado, ao publicar esta foto da calça cor-de-rosa no Instagram e no Facebook e mencionar as hérnias de disco na lombar e a osteoartrose do quadril (desgaste da cartilagem da articulação entre a pelve e o fêmur), e dizer que treino intensamente todos os dias, sem dores e com ótimos resultados, sem nunca ter tomado remédios nem feito nenhum tratamento específico que não a prática da musculação, que atua no fortalecimento da musculatura e que funciona como verdadeiras sessões de fisioterapia, tenho recebido muitas mensagens com perguntas sobre o que faço e o que evito, que tipo de exercícios etc.


Claudia Vilaça - 53 anos - 28/setembro/2015

Atleta FIGURE
Fisiculturismo Natural - BRASIL
INBA Natural Bodybuilding - BRAZIL


Além dos pedidos de conselhos leigos e de relatos das minhas experiências, o que as pessoas querem mesmo saber é como consegui hipertrofiar pernas e glúteos com as severas limitações impostas pelas lesões na coluna lombar e no quadril, que tornam a missão bem mais difícil e exigem uma série de cuidados para não agravar o problema nem acarretar dores.

Observação: a DIETA PALEO DE BAIXO CARBOIDRATO foi mantida, assim como o estilo de vida 100% natural: sem drogas, sem hormônios, sem remédios, sem energéticos, sem estimulantes, sem termogênicos, sem suplementos. Apenas comida que eu mesma preparo (com alimentos e ingredientes não processados), água mineral e um pouco de sol.


Neste post pretendo falar sobre as adaptações que me permitiram retomar a rotina de treinamentos SEM TRATAMENTOS, SEM MEDICAMENTOS e SEM CIRURGIA, tendo inclusive disputado o Campeonato Mundial de Fisiculturismo Natural 2015, em junho, em Dubai, nos Emirados Árabes, no qual conquistei a medalha de bronze para o Brasil.


Claudia Vilaça - 53 anos - 13/junho/2015

Campeonato mundial de fisiculturismo natural 2015
World Championship of Natural Bodybuilding
Terceiro Lugar

Dubai, Emirados Árabes Unidos


Também:

* as descobertas decorrentes da lesão; os exercícios que aliviam a dor nas costas e as ações que pioram e que podem me deixar vários dias travada e sem poder treinar; coisas pesadas que faço com a maior tranquilidade e outras que procuro evitar ao máximo.

* as soluções que encontrei para manter a INTENSIDADE e o ALTO RENDIMENTO dos treinos. Cargas, volume e frequência: tudo novo.

* o cuidado obsessivo com a POSTURA, a BOA FORMA e a CORRETA EXECUÇÃO DOS MOVIMENTOS.

* o método de treinamento e a evolução física após a lesão: resultados em termos de HIPERTROFIA e DENSIDADE.


Prevejo que esta conversa irá longe e que voltarei várias vezes para atualizar o texto do post; por isso, manterei o tópico "em aberto", indicando a hora e a data da última atualização no alto da página, ok?

---

- Eu nunca desconfiei que tivesse algum problema na coluna, não sentia nada (então, tudo certo, e pau na máquina!). Depois da "primeira grande crise" em meados de março/2015, fiquei três semanas afastada dos treinos e sem poder me mexer direito. Doía tudo, doía muito. Qualquer movimento - por mais simples e rotineiro que fosse - era um sacrifício. Ficar em pé, sentar, levantar da cadeira dura ou do sofá macio, deitar, entrar e sair do carro, pentear o cabelo, arrumar a cama, amarrar o tênis, pegar um objeto do chão. Consultei um ortopedista, fiz exames de ressonância magnética e apenas uma das dez sessões indicadas de eletroterapia ou "fisioterapia do choquinho", engrossando as estatísticas dos pacientes que não registram nenhuma melhora com este tratamento. Outra recomendação do médico foi que realizasse alongamentos e substituísse definitivamente a musculação por uma atividade física mais suave, como a hidroginástica. E, segundo o doutor, "hidroginástica LEVE"...

- Durante o tempo parada, revirei a internet atrás de informações sobre hérnias de disco e lesões na coluna, fisiologia, anatomia, estudei tudo o que encontrava sobre o assunto, familiarizei-me com os termos técnicos em português e em inglês. Li dezenas de artigos científicos, visitei sites, fóruns, blogs, sempre com o dicionário e o Google Translator do lado porque não conhecia aquelas palavras (nomes de ossos, vértebras, discos, nervos, tendões etc). Identifiquei alguns exercícios e movimentos tidos como "vilões" e outros considerados amigos das costas, bem como formas de execução que eu nunca havia feito e opções para localizar a sobrecarga (pesos) de modo a não machucar a lombar. Tracei um plano de ação para o que seria O RETORNO. Aos poucos fui me sentindo melhor e criando coragem de ir para a academia. O mais difícil foi colocar as meias, o legging de ginástica e amarrar as botas de treino - coisas bobas, mas que faziam gritar de dor as hérnias extrusas da coluna. 

- O primeiro treino foi uma sessão de exercícios para os dorsais. Baixei bastante as cargas e fiz algumas séries de puxadas e extensões com pegadas diversas (fechada, média, aberta, usando o triângulo, barra romana e cabos), além de remadas na máquina, sentada. Terminei o treino e percebi que não sentia dor nenhuma, que aquilo, sim, funcionava como fisioterapia! Alegria! Vitória! Treino de costas, ok. Conclusão: MOVIMENTOS DE EXTENSÃO (VÍDEO) são ótimos; já movimentos que exigem FLEXÃO das costas - como o de muitos exercícios abdominais, remadas curvadas ou quando se tem de levantar um peso do chão, como no levantamento terra -, significavam problema.


Claudia Vilaça - 53 anos
Retorno aos treinos após crise de hérnias de disco na coluna. Treino de musculação com exercícios para as costas, com ênfase em movimentos de extensão (vídeo).

Atleta FIGURE
Fisiculturismo Natural - BRASIL
INBA Natural Bodybuilding - BRAZIL


- Próximo passo: membros inferiores, e aí morava o perigo dos agachamentos com barra nas costas, do leg press até o peito e com os pés altos na plataforma, do hack, do smith machine, do stiff pesado, do avanço, das subidas no banco, da cadeira extensora, da flexora, das abduções (essas porque brigam com a artrose no quadril). 

Antes de mais nada, passei a fazer um PREPARO dos glúteos, coxas e panturrilhas com uma sequência de isometrias e alongamentos que leva bem uns 15 minutos. 

Isso feito, a primeira providência foi deixar de lado o orgulho, a força e a minha habitual "fome de ferros" e ficar vários dias à base de agachamentos e avanços apenas com o peso do corpo, elevação pélvica com carga leve, exercícios unilaterais para os quadríceps e posteriores (que detesto, porque demoram muito). Aos poucos, fui aumentando a dificuldade do treininho de franga velha com a progressão do número de repetições, diminuição do intervalo entre as séries, uso de pausas e cadências, isometria, step na frente, step atrás, dois steps ao mesmo tempo, agachar segurando no peito (em vez de nas costas) um halter de 6kg, depois de 10, 20, 22, 24, 26, 28, 30, 32, assim mesmo, evoluindo lentamente e executando cada movimento em perfeita forma, de preferência, diante do espelho para verificar a postura.


Claudia Vilaça - 53 anos
Retorno aos treinos após lesão. Preparo e alongamentos realizados antes do treino de musculação de membros inferiores.

Atleta FIGURE
Fisiculturismo Natural - BRASIL
INBA Natural Bodybuilding - BRAZIL


Antes de continuar a falar sobre os exercícios e os treinos de musculação em convivência totalmente pacífica com as lesões na coluna e a osteoartrose do quadril, só uma palavrinha sobre pequenas ações do dia-a-dia que fazem toda a diferença no sentido de manter a gente feliz e livre de dores, de remédios e de tratamentos.

- POSTURA, POSTURA, POSTURA. Postura ereta, costas retinhas (imagino que estou usando um colete de material rígido), barriga para dentro, peito para fora, ombros e cabeça como se fios invisíveis puxassem o corpo para cima nesses três pontos. E ABDOMEN CONTRAÍDO e QUADRIL ENCAIXADO, sempre. 

Assim tudo parece funcionar melhor, principalmente a respiração; sinto-me tranquila, em paz e preparada para qualquer coisa. Mantenho a postura sob controle quando em pé, sentada, andando e me movimentando, escovando os dentes, cozinhando, lavando louça, enfim, o tempo todo. E, sempre que possível, distribuindo o peso do corpo por igual, simetricamente.

- EVITO FICAR MUITO TEMPO SENTADA, o que pressiona a lombar e provoca dor. Se sentar, mantenho as costas retas (a postura que mencionei acima) e os pés apoiados no chão, SEM CRUZAR AS PERNAS. Tipo posição de pouso e decolagem, ok? Ah, no carro e ao viajar de avião, deixo a poltrona em posição vertical durante todo o percurso. Se o encosto da cadeira for fundo ou muito macio, uso almofadas firmes para preencher o espaço até as minhas costas ou me sento na beirada, já me acostumei, posso passar horas na pontinha da cadeira sem problemas, exceto no cinema, que é uma das poucas situações em que sinto dor porque não dá para evitar aquelas poltronas grandes e fofas. Outro momento crítico é lavar o cabelo no cabeleireiro, nossa, é cruel! Ao entrar em um ambiente - um salão, uma festa ou um restaurante, por exemplo -, a primeira coisa que faço é dar uma geral nas opções de assento, prefiro o que for menor e mais durinho, uma cadeira ou banco de madeira. Se a ocasião permitir, eu fico em pé. 

- GENGIBRE alivia as dores da artrose. É um anti-inflamatório natural e ainda tem efeito termogênico. Consumo o gengibre em forma de chá quente ou gelado (inclusive durante o treino) e cru, às refeições.

- Logo que voltei a treinar depois da crise de hérnias de disco na coluna, pratiquei muito AGACHAMENTO FRONTALSTIFF (ou ROMANIAN DEADLIFT) e LEVANTAMENTO TERRA apenas com o PESO DO CORPO. Uso esses movimentos nas atividades diárias, ou seja, sempre que tenho de me abaixar para pegar algo do chão, amarrar os sapatos, dar comida para os meus gatos (e limpar a caixa de areia ;-), carregar anilhas e halteres, eu ajeito o corpo, afasto ligeiramente as pernas, joelhos apontando para fora, e agacho como se estivesse fazendo o exercício na academia, em perfeita forma. Idem para os movimentos do stiff e do levantamento terra, levando o bumbum para trás SEM CURVAR AS COSTAS. Parece bobagem, mas ter essa consciência corporal funciona que é uma beleza!


Equipamento para treino de membros inferiores


Voltando à sala de musculação e ao treinamento para hipertrofia de membros inferiores sendo portadora de hérnias de disco na lombar e de osteoartrose no quadril - e observando o que disse acima sobre a postura e os movimentos adotados nas atividades diárias, mais os alongamentos e o preparo antes das sessões -, reformulei o meu jeito de treinar.

- LOCALIZAÇÃO DO PESO sempre na FRENTE ou nas laterais do corpo, o que altera o centro de gravidade e evita pressão na coluna. Isso vale para agachamentos, avanço, passadas e demais exercícios para as pernas. 

O posicionamento frontal da sobrecarga também ajuda a corrigir a tendência à inclinação exagerada e indevida do corpo e da cabeça para a frente e a retroversão do quadril na posição mais baixa.


   

Logo depois da crise de hérnia de disco, comecei praticando o agachamento frontal sem peso e fui acrescentando cargas gradualmente, sempre prestando a máxima atenção à execução do movimento. 

Os primeiros treinos eram muito leves, como o do menininho aí de baixo; repare na posição da cabeça, das costas, dos joelhos, dos pés. 

Hoje uso os halteres mais pesados da academia, uns trambolhos que vou rolando pelo chão porque não consigo carregar de um lado para o outro da sala (nem eu e nem ninguém hahaha). 












   


- EVITAR RETROVERSÃO DO QUADRIL. No agachamento, não permitir que o bumbum dê aquela "entrada" sob o corpo na posição mais baixa; no leg press, posicionar os pés no meio da plataforma (e não muito altos) de modo a que o quadril não descole do assento durante o exercício. Manter as costas e a cabeça totalmente apoiadas no banco.






- Nos movimentos em que há FLEXÃO DO TRONCO - STIFF, ROMANIAN DEADLIFT, LEVANTAMENTO TERRA e GOOD MORNING, por exemplo -, NÃO CURVAR AS COSTASNÃO EXAGERAR NA CARGA, ainda que com a execução perfeita. Usar técnicas de intensidade e/ou aumentar o número de repetições e/ou diminuir o tempo de descanso entre as séries e/ou variar a velocidade e/ou usar cadências e pausas e/ou deixar o exercício para o fim do treino são maneiras de obter um ótimo rendimento com cargas menores




Nos vídeos a seguir, veja o que acontece com a musculatura e as estruturas da coluna durante os exercícios de musculação e em ações como pegar um peso do chão. As costas do bonequinho "errado" pegam fogo!







- CADEIRA EXTENSORA E FLEXORA - o encosto do aparelho costuma ter uma inclinação para trás. Sinto doer a lombar ao fazer a extensão ou flexão de pernas nesta posição. A solução é ajustar o encosto de modo a trazer o tronco um pouco para frente, diminuindo o ângulo com as coxas. 




- CADEIRA ABDUTORA COM O CORPO INCLINADO À FRENTE - Ah, meu passado me condena... Assim como a Gracyanne e outros atletas e praticantes de musculação - e orientada por renomados e experientes profissionais de Educação Física -, eu fiz muito disso: abdução na cadeira com o corpo inclinado à frente. E fazia pesado, zerava a máquina e ainda colocava umas anilhas extras! Ao mesmo tempo, arruinava a lombar e o quadril (acho que os meus problemas nasceram aí). 

Conselho de uma portadora de desgastes, abaulamentos, protusões e hérnias de disco extrusas na coluna? NÃO FAÇA!!! Mesmo que o seu professor coloque na série de pernas e glúteos e que você sinta que "pega" bem, não faça. Não vale a pena. Se depois sentir uma dorzinha insistente na virilha, então, saiba que foi assim que começou a minha história de artrose no quadril.


Gracyanne Barbosa executa abdução de quadril na cadeira, com o corpo inclinado à frente.
  

- APARELHOS DE MUSCULAÇÃO EM GERAL - Evitar utilizar as máquinas de maneiras diferentes daquelas para as quais foram projetadas. Leg press de lado, agachamento na abdutora, elevação de quadril na almofada da flexora horizontal, leg press no smith com as costas no chão (induz à retroversão do quadril), avanço no hack com o pé no ar, e tudo o que for "invertido e inventado". Sem acrobacias. Se na academia não tiver determinado aparelho, usar as barras e os pesos livres, com progressão de cargas e técnica perfeita nos exercícios tradicionais. Simples, eficiente e seguro! 

---


20 comentários:

  1. Muito bom o seu relato! Tenho problemas semelhantes aos seus mas as minhas hérnias são na torácica devido à escoliose e tenho artrose no quadril tb, desde os 29 anos. Comecei a fortalecer a minha musculatura com Pilates e depois de 6 meses parti pra musculação. Tenho crises de vez em quando, mas no geral o quadro melhorou muito. Minha postura também contribui muito para a melhora. Tomo diariamente uma fórmula de Condroitina+Glucosamina+ MSM manipulada em forma de pó efervescente. Ha 20 dias estou seguindo a dieta Paleolitica e estou me sentindo muito bem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fortalecer a musculatura parece ser a melhor maneira de superar esses problemas, Marianna! Fale mais sobre a sua experiência e as descobertas com a prática de Pilates, na musculação e como está se saindo com a paleo.

      Excluir
  2. Claudia,

    Boa sorte para você!!! Espero que tudo corra bem, nesta vossa recuperação.

    Eu, treino a pouco tempo, mas sou um entusiasta do esporte, e adoro o BodyBuilding e PowerLifting.

    Por volta de 2 meses atrás, decidi que focaria em treinamentos de weightlifting, visando competir. Mas antes mesmo de iniciar treinamentos específicos (mesmo após consultar um Ortopedista, onde o mesmo checou articulações, membros, etc), em um treino de agachamento, com uma carga pequena (80kg), fazendo cadência na fase negativa do exercício, senti a Dorsal, e isto tem 2 semanas, e ainda não voltei a treinar. Estou fazendo alguns exames, mas aparentemente, posso ter uma escoliose em "S".
    Isto poderá impedir meu planos de competir em levantamento de pesos, pois assim como você falou, Agachamento e Terra, são a base desta categoria.
    Semana que vem, volto ao médico com os exames, e vamos ver. Estou confiante.

    Mas o que gostaria de saber, é quanto a tua dieta?
    Notei que você praticamente não consome carboídrato, apenas Proteínas e Gorduras (Paleo).
    Gostaria de saber, quanto a porcentagem que você utiliza, para determinar estes 2 macros (proteínas e gorduras)?. E se tua dieta é hipercalórica?
    Outra coisa é se faz uso (se tem necessidade) de multivitamínicos?

    Grato

    Gismar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu consumo de carboidratos é muito baixo, Gismar, e esses provêm dos vegetais com pouco amido e açúcar (não como frutas). A minha dieta consiste basicamente de proteínas e gorduras naturais e é, sim, hipercalórica porque mantenho alta a proporção de gorduras em relação às proteínas, uma vez que tenho por objetivo aumento de massa muscular (e não apenas manutenção).

      A proporção e as quantidades de gordura e de proteína em uma dieta low-carb para atletas dependem da fase do treinamento e do seu objetivo. Se quero subir de peso ou se desejo emagrecer (perder gordura corporal), aí eu mudo as proporções e as quantidades, e a dieta fica menos calórica.

      Não uso nenhum tipo de suplemento nem vitaminas sintéticas, nada!

      Excluir
    2. Cláudia, obrigado pelo feedback!!!

      Para começar a dieta Paleo-lowcarb li o Livro "Porque Engordamos" de Gary Taubes.

      Mas, recentemente, li o livro "A Dieta Metabólica", do Dr. Mauro Di Pasquale. Consiste em um protocolo, com altas quantidades de gordura e proteína, baixo carboidratos (30g) durante os 5 dias da semana, e um "super carbup" no sábado e domingo!
      Segundo o livro, este protocolo cria um ambiente hormonal propício para queima de gordura e ganho de massa magra, para atletas naturais!
      O que acha!? Já leste este Livro!?

      Obrigado!

      Gismar

      Excluir
  3. Olá Claudia,
    Pesquisando sobre dieta paleo,low carb, relacionado a hipertrofia e definição (perda de gordura) encontrei seu blog, e devo dizer que estou cada vez mais convencida de que este estilo de vida é o que buscava pra mim. Como aspirante tenho muitas dúvidas, pois faço musculação visando o aumento d MM e diminuição da gordura corporal. Tenho 23 anos, 1,73m e 65kg, a ingestão de 2g de proteína p/kg é o ideal como base para inicio da dieta? Quanto de carboidrato e gordura devo ingerir para que meu corpo utilize a gordura como fonte de energia?
    Entendo que não é preciso ficar contando e tal, mas para iniciar gostaria de ter uma base.
    Mais uma vez parabéns pelas conquistas e obrigada por compartilhar conosco seus conhecimentos tão preciosos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A ingestão de 2g de proteína por kg de peso é um bom ponto de partida, Deborah, depois você vai ajustando, conforme os resultados e os seus objetivos.

      No começo, para que o seu corpo se adapte a usar a gordura como energia, o melhor é manter a quantidade de proteína mais baixa e a de gordura, alta, com o mínimo de carboidratos. Com o tempo, dá para aumentar a proteína, mas devagar, bem aos poucos.

      Atualmente, minha ingestão de proteínas é maior do que nos primeiros tempos de low-carb, mas os carboidratos continuam baixos, basicamente só de folhas cruas e poucos vegetais sem amido.

      Excluir
  4. Grata pelo seu depoimento: isto ajudou-me bastante, pois já me lesionei em academia. Fui para o ortopedista, fisioterapeuta, fisiatra. Mudei a minha alimentação, fiz RPA (reeducação postural e alongamento) e hoje tenho uma rotina de exercícios e meditação todas as manhãs. Além, claro, de caminhadas (3 x na semana) como opção para o aeróbico. Utilizo tênis duro para o impacto na sola dos pés (nada de coisa macia e o All Star que uso custou R$ 20,00). Melhorei postura, asma e coração (membros inferiores fortes, coração forte). Meu pé também é reto e daí, o tênis. Vario de sapatos ao longo da semana anabela, salto baixo. Postura em todos os aspectos é fundamental. Sendo enfática, grata!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu que agradeço pela visita e pelo seu relato, obrigada e boa sorte, sempre!

      Excluir
  5. Primeiro lugar: parabéns! Você tem um corpão e, definitivamente, serve de inspiração para todos que desejam saúde e um corpo legal.

    Vi umas postagens antigas em que você colocou uma foto bem sequinha e uma foto após o ganho de massa muscular. Cortei o carbo e estou como você na foto "sequinha". rs Emagreci muito! Como você fez para ganhar massa sem introduzir carboidrato? As pessoas são praticamente unânimes em me dizer que não conseguirei ganhar massa se não comer carboidratos como batata doce, aipim, inhame...

    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Nos primeiros tempos de low-carb a gente dá uma murchada por conta do efeito diurético da dieta. Com carboidratos reduzidos vai-se toda a retenção de líquidos e o corpo começa a usar a gordura como fonte de energia, a dos alimentos e a nossa própria gordura.

      Foram muitos meses na fase "sequinha", porque emagreci, perdi gordura (ou melhor, usei as minhas reservas ;-)

      Foi aí que me dei conta de que precisava aumentar o teor calórico da dieta para não continuar secando e emagrecendo mais, já que buscava aumento de massa magra e, mesmo me alimentando bem, estava em déficit.

      Fiz isso: aumentei o aporte de energia, aumentei as gorduras até sair do déficit, a idéia era sobrar um pouco para ganhar massa magra. Mantenho-me sem carboidratos desde 2012, apenas mexendo na quantidade de proteínas e de gorduras naturais.

      Excluir
  6. Claudia, parabens!!!! Muita força de vontade a sua!!! fiquei muito feliz em saber que apesar de aparecerem problemas na coluna, como eu que tambem descobri uma protusao discal ha uns dois anos, e tenho agora 27 anos, comecei a fazer academia, no comeco ouvi instrutores que nao sabiam de nada sobre coluna, colocavam varios exercicios e muito peso, e eu acreditei, mas depois de procurar bastante na internet, agora faço minha série sozinha, que montei com pouco peso, aerobio no transport.. a unica coisa que nao vou mais fazer dessa minha nova serie é a cadeira abdutora, pq tenho medo de piorar, e infelizmente nao tenho uma pessoa la na academia em quem eu possa confiar.. vou ficar sempre lendo seu blog!!! bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada! A cadeira abdutora me causou muitos problemas, principalmente porque fazia com muita carga e o corpo inclinado à frente. Não recomendo, de jeito nenhum.

      Excluir
  7. Claudia, primeiramente parabéns! Treino a 3 anos e fiquei 2 meses sem treinar pois estava de mudanca para outro país. Enfim que machuquei a minha lombar, porém continuei treinando.. Até que a dor ficou feia e fui para o hospital, tomei anti inflamatorio por uma semana e quando ele acabou a dor veio ainda mais forte, fui para o hospital e tive que tomar remédio na veia, melhorei um pouco. Agora eu sei que estou com lombalgia, mas ainda nao sei se tenho algo nos discos, pq eles nao fizeram nenhuma ressonancia, nenhum raio x, pois nao consideram emergencia.. estou a 2 semanas parada, com muita dor, fazendo aquelas massagens de choque e compressas de agua quente. Estou com medo de nao poder treinar tao forte como treinava.. e acho q o que causou a minha lesao foi o arnold press em pé, a barra era 4kg mais pesada do que aonde eu treinava no brasil. Alguma dica?? acha que vou me recuperar?? Quando descobriu a hérnia de disco, sentia algo nas pernas? Tenho 24 anos. Muitoo obrigada! Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando você se recuperar da crise, experimente voltar a treinar como se fosse um iniciante. Vá com toda a calma e cuidado, alongue-se, faça um aquecimento e preparo antes da sessão de musculação. Se identificar exercícios ou movimentos que causem dor, pare, substitua por outros.

      Quando tive a primeira crise de hérnia de disco na lombar, já sentia uma dor no quadril e na coxa esquerda, que piorava ao fazer leg press com as pernas altas na plataforma e cadeira abdutora. Ainda hoje evito esses dois exercícios e presto o máximo de atenção na postura e na execução perfeita do stiff, remadas e outros, a dor passou.

      No caso do desenvolvimento em pé, acho que pode piorar, sim. O mesmo acontece com remadas em pé. Eu evito. Faço desenvolvimentos e remadas sentada, com bastante peso, sem problemas.

      Excluir
  8. Cláudia, você é um espetáculo de ser humano. Sua história de busca pela saúde e a eterna curiosidade sobre as formas mais naturais de conseguir isso são realmente inspiradoras. Já perdi mais de 18kg após adoção de uma vida paleo, ajudo pessoas a descobrirem essa caminho de aperfeiçoamento pessoal e com certeza recomendarei seu blog pra muita gente. Aliás, já estou fazendo nesse momento... kkk.

    Um forte abraço,
    Kenny

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Kenny! O caminho natural acaba sendo inevitável depois que o corpo se habitua. Quando tomo algum remédio ou uso produtos que contenham corantes, adoçantes artificiais, parabenos etc, logo percebo os efeitos: alergia, eczemas, dor de cabeça. Por isso fico longe de alimentos processados, de medicamentos (só em último caso :-) e procuro me cuidar do modo mais natural possível.

      Quanto aos problemas de hérnias de disco e osteoartrose, aprendi a identificar o que me faz bem e o que devo evitar. Não sinto mais dores, nada mesmo, e treino musculação intensamente, com excelentes resultados.

      Adorei a sua visita, venha sempre!

      Excluir
  9. Boa noite Claudia
    Muito boa sua matéria. Estou em crise do ciático pois tenho uma protusão na lombar L4 L5. Sempre malhei e estou deprimida pois os médico me disseram que não posso mais treinar.
    Você poderia me dar umas dicas de exercícios que não forcem a lombar? Deitada talvez? Estou ficando com as pernas flácidas. Muito obrigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Além do que falei no post, sugiro que você capriche no treino de costas, principalmente nos exercícios de puxadas para baixo. Sinto que esses movimentos "acomodam" as protusões e hérnias, como se houvesse mais espaço, e isso alivia as dores e fortalece a musculatura das costas, o que é fundamental para os treinos eficientes e seguros de membros inferiores.

      Com as costas bem fortes, você vai poder agachar, fazer afundo, stiff e peso morto (deadlift). Prefira os pesos livres, usados na frente ou nas laterais do corpo, em vez de nas costas.

      Fique longe das máquinas, das cadeiras, do Smith, do hack e mesmo do leg press. Usando pesos livres e/ou o peso do corpo você controla os movimentos e não corre o risco de se machucar com posturas antinaturais.

      Excluir
  10. Cláudia,
    Agradeço muito o seu relato.

    Eu fui praticante de musculação durante grande parte da minha curta vida. Machuquei-me aos 22, ao sentir uma forte dor no pescoço que seguia pelo braço esquerdo. Após exames recomendados e examinados pelo meu médico, fui diagnosticado com hérnia cervical (c4-c5). Desde então tentei voltar a treinar duas vezes, mas as dores voltaram e eu parei antes que atingisse a mesma intensidade do primeiro episódio.

    Agora estou disposto a uma terceira tentativa, começando muito lentamente, seguindo suas orientações de progressão de carga e vigilância da postura.

    Reitero que sou grato ao seu depoimento, que me entusiasmou muito a realizar essa nova tentativa, antes de me submeter a uma cirurgia.

    Um grande abraço,

    ResponderExcluir

Obrigada pela participação! Em breve, seu comentário será publicado e respondido por mim neste post. Mesmo que demore um pouquinho, eu respondo a todos os comentários. Volte mais tarde para conferir a resposta e continuar a nossa conversa, ok?

IMPORTANTE: Não sou nutricionista nem profissional de Educação Física. Não prescrevo dietas nem treinos. Não presto consultorias por meio deste blog, de redes sociais nem de mensagens privadas. Os registros deste blog resultam da minha experiência pessoal e do aprendizado por conta própria.

Para prescrição de dietas, cálculos de calorias e de nutrientes de acordo com as suas necessidades e metas, alimentação aplicável em casos de doenças, intolerâncias e alergias, procure um nutricionista ou médico especializado. Idem para treinos e condições específicas, que devem ser orientados por um profissional de Educação Física.