terça-feira, 27 de agosto de 2013

EXPULSÃO DA ACADEMIA, A INDÚSTRIA DE SUPLEMENTOS E AS DROGAS NO FISICULTURISMO BRASILEIRO + NOVOS DESAFIOS NO FISICULTURISMO NATURAL


Gostaria de agradecer as inúmeras manifestações de apoio no blog (*) e no Facebook, além das mensagens que recebi a respeito da minha recente expulsão da academia de ginástica, em São Paulo.

Esclareço que ter sido expulsa da academia foi apenas o último ato de uma perseguição que durou mais de cinco meses.

Em todo esse tempo, lutei para que a tensão constante, a patrulha, o constrangimento e a humilhação que sofri não atrapalhassem meus treinos intensos e a sempre árdua preparação para os campeonatos de fisiculturismo, ainda mais no meu caso, que não uso nenhuma suplementação nem drogas ou "recursos ergogênicos" .


Quero dizer que me sinto aliviada por não ter mais de suportar o assédio e a interrupção das sessões de musculação por conta deste assunto, e informar:

1) Desde o dia seguinte à expulsão, ou seja, a sexta-feira 23/agosto, estou treinando sozinha em outra academia de ginástica, com foco total na preparação para os campeonatos internacionais de Fisiculturismo Natural, nos EUA, nos próximos meses (de setembro a novembro/2013).


2) Posts no Facebook e no Twitter da academia que me expulsou tentam ridicularizar a minha atitude de indignação e denúncia e procuram convencer o público de que se trata de uma academia para "atletas e alunos que gostam de treinar musculação de verdade". 

Um post do Facebook foi alvo de diversos comentários negativos e críticas à academia e, rapidamente, deletado pelo administrador da página.

No Twitter, um texto mal escrito insinua que eu não aguento treinar pesado. 

O curioso é que o motivo alegado para as repreensões pelo gerente é justamente o fato de eu treinar no limite, até a exaustão e além dela, em vez de me dedicar a uma prática, digamos, mais suave, do tipo que se faz sem "esforço exagerado" e sem derramar uma gota de suor.


3) Também não mais faço parte nem mantenho nenhuma ligação com a IFBB internacional, a IFBB-Brasil e a IFBB-São Paulo. 

Após ter competido pelo estado de São Paulo em cinco campeonatos da IFBB-Brasil, desliguei-me desta federação e me tornei membro da INBA - INTERNATIONAL NATURAL BODYBUILDING ASSOCIATION, com sede nos EUA (o Brasil não tem representação em ligas de Fisiculturismo Natural = SEM DROGAS).

Aliás, seria uma honra conhecer outros atletas fisiculturistas brasileiros 100% limpos de drogas há, pelo menos, cinco anos

Por DROGAS, entenda-se também estimulantes (comuns nos suplementos pré-treino e termogênicos), diuréticos e tudo o que constar da lista de substâncias proibidas pela agência mundial anti-doping WADA e pelo IOC - Comitê Olímpico Internacional.



Detalhe interessante é que, exceção feita às poucas federações de Natural Bodybuilding existentes no mundo, os atletas FISICULTURISTAS NÃO SÃO TESTADOS, não fazem exame anti-doping, como acontece em qualquer outro esporte. 

Pelo contrário, NO FISICULTURISMO o USO DE DROGAS é SINÔNIMO de ATLETA DE ALTO DESEMPENHO E/OU DE COMPETIÇÃO e determina o padrão das categorias nos campeonatos de fisiculturismo e fitness. 

Quem não usa drogas simplesmente não se enquadra no padrão, além de ser desprezado pelos árbitros, pelos dirigentes das federações, pelos patrocinadores (entenda o motivo, logo abaixo) e pelo público em geral, este acostumado ao visual "bombado" ou "hormonizado", como dizem os entendidos no assunto.


OBS.: O uso de DROGAS no fisiculturismo brasileiro aumenta a cada dia de modo assustador, seja por atletas amadores e profissionais de TODAS as categorias, seja por praticantes de musculação sem maiores pretensões que não as de "crescer", "ficar gigante ou gostosa" (conforme o sexo), "ter pernas e bumbum de Panicat", "secar" e "definir o abdomen para o verão".

Onde se consegue tudo isso? Na academia, é claro! E não exatamente treinando musculação de verdade, mas sim servindo-se do arsenal de "aditivos e aceleradores de resultado" à disposição.

Ainda mais quando se frequenta uma academia com forte e conhecida ligação com um laboratório de manipulação "especializado em nutrição esportiva".

O laboratório em questão também patrocina atletas, treinadores, árbitros, dirigentes e campeonatos de fisiculturismo da IFBB, em estreito relacionamento com a academia de ginástica de São Paulo da qual fui expulsa.


Além disso, o sucesso das estratégias de marketing da indústria de SUPLEMENTOS depende das academias. 

Os atletas e treinadores afirmam que sem suplementos (da marca que lhes patrocina ou apóia, obviamente) é impossível obter qualquer resultado na musculação; professores da sala, vestindo a camiseta com os logotipos da academia E do fabricante de suplementos patrocinador, passam as séries de treinos e orientam a dieta dos novos alunos, indicando os "indispensáveis" suplementos. 

Quem desobedece ou não se enquadra na dieta-padrão, que inclui muito açúcar de maltodextrina e dextrose, potes e mais potes de whey, caseína e incrível quantidade de pós, cápsulas e pílulas é considerado má influência. 

As revistas especializadas têm nos anúncios de suplementos 100% de seu espaço publicitário. 


OS CAMPEONATOS DE FISICULTURISMO E FITNESS SÃO MOVIDOS A SUPLEMENTOS: organização, patrocínios de atletas e de academias, viagens, prêmios, feiras de nutrição e eventos paralelos, material de propaganda, remuneração de árbitros, de dirigentes e de associações esportivas. 

A indústria de suplementos alimenta e mantém a máquina de sonhos, aquela que apresenta corpos magníficos (em 99,99% das vezes, físicos fantásticos obtidos com o uso de drogas) como divulgação das infinitas possibilidades alcançadas com o consumo de seus produtos.


O marketing dos suplementos funciona esplendidamente! As pessoas acreditam mesmo que vão atingir o nível de desenvolvimento muscular daquele atleta campeão patrocinado pela empresa de suplementos se fizerem como ele, no filme exibido no início e nos intervalos dos campeonatos e nas feiras de fisiculturismo da IFBB, deliciando-se com pó para panqueca de whey, mistura para mousse ou bolinho protéico sabor chocolate e sobremesas diversas.

Quantas barrinhas de cereais recheadas com crispies nutritivos ou medidas de whey com gosto de paçoquinha você acha que são necessárias para nutrir um gigante como o atleta da foto?

Veja o tamanho dele, o homem é imenso!

Drogas, hormônios, anabolizantes e recursos químicos de tudo quanto é tipo? Não, claro que não - dizem os fabricantes de suplementos. 

E você acaba se convencendo de que o atleta ficou assim por causa da suplementação com shake de proteína, BCAA, glutamina, creatina e pozinhos doces que parecem comidinha de criança. 

Você consome os produtos, adota o discurso-clichê e faz girar a engrenagem academias - fabricantes de suplementos + drogas - mídia - corpos perfeitos.




Toney Freeman


A foto abaixo foi tirada meses atrás quando da visita do lendário Toney Freeman à academia da qual fui expulsa, em São Paulo.

Na ocasião, o atleta americano veio ao Brasil não para treinar e fazer social na academia, é claro, mas para a produção de peças publicitárias (entre as quais o filme do pó de panquecas que mencionei) para o seu patrocinador brasileiro, uma importante indústria de suplementos.


Toney Freeman e Claudia Vilaça
Academia First/SP - 18/dezembro/2012


Por que você acha que estou falando tudo isso: drogas, suplementos, consultores/diretores/sócios/proprietários de laboratórios de manipulação E de academias de ginástica E dirigentes da federação de fisiculturismo e fitness (AO MESMO TEMPO), patrocínios, publicidade, interesses interligados, rede de influências e muito, muito dinheiro?

O que tais assuntos têm a ver com o meu esporte, com a perseguição de que fui vítima na sala de musculação e a inevitável expulsão da academia?

E com a minha decisão de não mais competir pela IFBB, mais a filiação à liga internacional de Fisiculturismo Natural INBA (= SEM DROGAS) enquanto mantenho um estilo de vida em que só entram alimentos naturais e orgânicos, sem produtos processados/industrializados e, sobretudo, SEM SUPLEMENTOS?

COMENTE!


(*) Agradeço especialmente as mensagens enviadas por Kleber Nunes e por Gi, do blog Fit Lifestyle, que reproduzo a seguir: 

Magnifica a sua coragem. Parabéns!
Ir contra o "mainstream" nunca foi algo que tornou alguém campeão de popularidade. Mas não se sinta sozinha, nas sombras se escondem várias pessoas que não concordam com esse senso comum que domina a cena - em geral, e não só a cena fitness.
Arthur Jones, um antagonista do senso comum desde sempre - alguém muito controverso - disse algo mais ou menos assim... em toda parte se encontra gente burra em abundância, mas nunca em tanta abundância quanto entre os que se dizem fisiculturistas... 
E esse enfoque esclarece em parte e se alinha com o cenário que descreveste acima, do dogma e o preceito geral que norteia a cena fitness: o foco exagerado nos suplementos alimentares, e um certo ar blasé quanto ao peso que as drogas representam nos resultados gerais dos praticantes - que tratam a questão entre si como se o uso de drogas fosse uma pequena ajuda ao resultado geral, que de acordo com o ideário dos alienados do fitness recai pesadamente sobre a "enorme dedicação" à dieta, treino, descanso e SUPLEMENTAÇÃO; quando na verdade muitos sequer pisam na academia se porventura acabar o Jack3D, quem dirá treinar forte no Off do ciclo, se é que entram em Off do ciclo.
Mike Mentzer - perdoe a ênfase nos ícones do HIT, mas chegam a ser inevitáveis - em um de seus inúmeros textos, um onde denunciava a hipocrisia de seus colegas de esporte, que simplesmente negavam ou pelo menos se recusavam a admitir/falar sobre o assunto esteróides - e ao contrário atribuiam pesadamente seu sucesso ao uso de "suplementação alimentar" adequada - disse algo mais ou menos assim, de que ele não usava suplemento alimentar algum, mas que SIM, usava dos esteróides anabólicos para seus resultados expressivos, e que não era imoral usar esteróides anabólicos, mas mentir, sim, era imoral. Sem necessariamente colocar-me em concordância quanto ao uso de esteróides anabólicos, tenho que concordar com a enorme coragem que Mentzer demonstrou ao expressar tal impressão quando ele mesmo operava dentro da "máquina Weider/IFBB".
Haveria alguém no Pro-Bodybuilding atual digno de assumir o legado de iconoclastia que Mentzer carregava? Duvido...
Tudo leva a crer que o futuro repousa no Natural Bodybuilding, e que mesmo nas grandes federações, com o tempo, o Mens Fitness dominará a cena, tal como o Bikini Fitness suplantou as Hardcore Women Bodybuilders, só que mais lentamente.
Se quiser discutir a questão, me encontra em: https://www.facebook.com/rebelknunes
Felicidades! Continue saudável, forte e sábia!
Tenha bons treinos!
Kleber Nunes


Tenho pensado muito nisso por esses tempos, ainda mais depois de toda essa polemica com os wheys (que no fundo, já é uma velha discussão). 
O que eu acho pior mesmo são esses projetos "x" difundidos pelos canais de utube e instagrans da vida, onde parece de suma importancia o uso de suplementação. 
Vejo de perto o conflito que isso causa... 
Minha irmã de 16 anos botou na cabeça que precisa de whey e termogenico, como se fosse a solução para uma dieta que ela não consegue seguir.
Não sou contra, mas acho que deveria ficar bem claro que nenhum suplemento conseguirá superar comida de verdade. 
Tirando toda a polemica das drogas anabólicas, tenho certeza que esses gigantes não foram construídos com pozinhos.
Parabéns pela atitude, novamente ;)
Gi

---


Leia também:

CLAUDIA VILAÇA EXPULSA DA ACADEMIA DE GINÁSTICA

CAMPEONATO BRASILEIRO IFBB 2013 - FOTOS DA COMPETIÇÃO E FISICULTURISMO 100% NATURAL - INBA NATURAL BODYBUILDING

CEM POR CENTO NATURAL - (2) HIPERTROFIA: O SEGREDO DO SUCESSO



quinta-feira, 22 de agosto de 2013

CLAUDIA VILAÇA EXPULSA DA ACADEMIA DE GINÁSTICA


Fui expulsa da academia First, em São Paulo, por determinação de seu gerente, Northon Dengler.

Por isso, esta deve ser a última vez que você vê as minhas fotos de celular tiradas no vestiário da First, antes ou depois do treino de todas as manhãs.


Claudia Vilaça - 51 anos - 22/agosto/2013
Fisiculturismo Natural


Segundo o gerente da First, Northon Dengler, e sua secretária, Luciana Pilon, a minha presença incomoda e perturba os frequentadores da academia.

Quem são os reclamantes? - pergunto. E quantos: uma, duas pessoas?

Que nada!

"A lista é extensa" - diz o gerente. E eu que nunca pensei que fosse tão popular, ou melhor, impopular... 

O gerente afirma que dezenas, centenas, milhares, multidões de atletas do mundo conhecido (!!!) e de praticantes ocasionais de musculação, professores e funcionários do seu estabelecimento não suportam dividir o espaço comigo.


Claudia Vilaça - 51 anos - 22/agosto/2013
Fisiculturismo Natural


E isso, é claro, não vem de hoje.

A história que parece piada, considerando-se o meu ótimo relacionamento com todos e o ambiente em questão (não exatamente uma igreja ou uma biblioteca) - som alto, conversas, gritos, piadas, risadas, fotos e vídeos de celular, professores contando as repetições e as séries, anilhas e barras derrubadas com estrondo no chão -, começou em março, ou seja, há 5 meses venho sendo fuzilada com os olhos por dois ou três desafetos e patrulhada a cada movimento na sala, a cada gemido, cada passo.

Primeiro fui chamada pela secretária Luciana Pilon para ouvir sermões e repreensões a portas fechadas, o que me lembrou a temida salinha 14 da madre superiora, Irmã Mariana, no colégio de freiras em que estudei nos idos dos anos 70.

Depois da conversa com a secretária e porta-voz dos tais descontentes - obviamente escondendo-se no ANONIMATO e, por isso mesmo, ainda mais furiosos e valentes em seus ataques: "os alunos incomodados preferem não se identificar" -, veio a intimação formal para reunião com o senhor gerente, como se eu tivesse alguma obrigação de interromper as minhas atividades para ir à academia falar com o homem e assim aplacar a ira dos céus e dos infernos. 

Seguiram-se e-mails e notificações, ameaças de medidas judiciais, trocas de farpas, risadinhas e comentários maliciosos, irritações de sobra.

Tentando continuar o meu trabalho em paz, prometi ao gerente Northon Dengler ser uma menina boazinha, rezar 10 ave-marias, abaixar a cabeça, fazer as lições de casa, usar uma mordaça e me comportar como uma moça penitente (isso se não quisesse ser castigada por ele e mandada ajoelhar no milho ou me açoitar nas costas). Só faltou eu me matricular em alguma escola de etiqueta e aprender a lidar com talheres para escargot e comer manga e melancia de garfo e faca sem me lambuzar, e assim não fazer feio na academia de público tão seleto e requintado.

Não adiantou.

Os "Incomodados com a Claudia Vilaça" quase têm um treco ao me ver por ali no mesmo horário, das 11 às 12h30, todos os dias, mesmo que estejam do outro lado da sala. Seus ouvidos biônicos captam tudo!

A propósito, o que me atraiu para a First foi justamente o marketing de ser uma academia de grandes atletas, "gente do ferro", pura inspiração. Um lugar onde eu pensava ser possível treinar de verdade, sem frescuras nem perfumaria. Estava enganada, infelizmente.


Claudia Vilaça - 51 anos - 22/agosto/2013
Fisiculturismo Natural


Sou uma cliente da academia como todos os outros, pago as mensalidades integral e pontualmente, não tenho nem nunca tive qualquer desconto ou regalia.

O gerente da First, Northon Dengler, interrompeu o meu treino de hoje com o seu sermão bem preparado, como se fizesse um grande favor por ter permitido que eu me exercitasse no templo de refinamento, sutileza e maneiras que ele imagina ser uma academia de ginástica digna e de boa reputação.

Você notou que eu usei o verbo no passado, pois a tal permissão não existe mais. 

Meu jeito de treinar "no limite" e além dele, meu "esforço exagerado"; minha dieta sem carboidratos e o óleo de coco antes e depois da musculação em vez dos habituais shakes, pós mágicos, poções e pílulas (neste ponto, sou um péssimo exemplo para os demais praticantes, má influência em um mundo que gira em torno das "bombas", dos "venenos" e "remédios", dos "aceleradores de resultados" e das receitas prescritas por nutricionistas e médicos com grande liberalidade, do marketing agressivo da indústria de suplementos e das farmácias de manipulação, das "fórmulas infalíveis para crescer e secar", dos aditivos e dos hormônios sintéticos).

Alguém como eu - UMA ATLETA QUE NÃO TOMA SUPLEMENTOS - vai contra a orientação e os "negócios" dos treinadores, dos "entendidos" e dos que se julgam detentores exclusivos do saber, dos mistérios do esporte e da arte de transformar corpos humanos em gigantes sobrenaturais.

E mais: o fato de ser uma atleta 100% NATURAL (SEM DROGAS), meus resultados obtidos unicamente à custa de treino pesado, alimentação regrada e disciplina extrema, minha formação de advogada, meu trabalho como escritora de ficção, minha voz, meu cabelo, minhas roupas, minha imagem, minhas fotos, minha personalidade e minhas opiniões "causam transtornos e configuram sério desrespeito aos frequentadores e funcionários da academia First", motivos que tornam inevitável a minha expulsão. 


Ok, as mudanças não me assustam, rapidamente estudo as possibilidades e recalculo a rota. Adapto-me e sigo em frente. Não vou perder nem mais um segundo do meu tempo e a minha energia discutindo com gente tão sensível (ou outro termo apropriado, qual seria?

Também não admito ser tratada desta maneira. 

Deixo a academia First, em São Paulo, depois de 12 meses de frequência assídua (inclusive sábados, domingos e feriados) e passo a treinar e a me preparar para as próximas competições internacionais de Fisiculturismo Natural em outra academia de ginástica.

Só preciso de alguns halteres e pesos, porque a dedicação e a disciplina me acompanham em qualquer lugar.

[ATUALIZAÇÃO - sexta-feira, 23/agosto/2013: JÁ RETOMEI MEUS TREINOS, SOZINHA - sem treinador nem preparador técnico - em outra academia. Intensidade total, rumo aos EUA em setembro!]


Ah, e parece que estou em boa companhia! Você sabia que a campeã mundial Erin Stern foi expulsa da academia a poucas semanas de um campeonato importante, o lendário Olympia? 

Vendo-se de repente sem ter onde treinar, Erin Stern improvisou uma salinha de musculação na garagem da casa dos pais; também se exercitava na rua usando pneus e cordas.


Detalhe: Erin Stern venceu o campeonato.



Erin Stern


E a deusa Larissa Reis? Poucos anos atrás, ela foi expulsa da academia em Brasília, sob a alegação de não ter o "perfil adequado" e causar "muito tumulto".

Pudera! A mulher - minha primeira inspiração - é um escândalo.

Imagine esta força da natureza treinando ao seu lado na sala de musculação. Inevitável que deixe um rastro de motivação ou de destruição, conforme o caso: certezas e egos abalados, lições dos instrutores postas em dúvida, auto-estimas arranhadas para todo o sempre...

A famosa atleta brasileira é tumulto absoluto!

De repente, não fosse a expulsão da academia provinciana, a magnífica Larissa Reis ainda estaria aqui no Brasil fazendo uns bicos de vendedora de loja de suplementos e modelo fitness, apesar de ser baixinha, em vez de brilhando nos palcos internacionais, arrasando nos trabalhos com os maiores fotógrafos do mundo e encantando com sua garra e magnetismo impressionantes.


Larissa Reis





quarta-feira, 21 de agosto de 2013

(9) HIPERTROFIA: SANGUE, SUOR E DENTES - PREPARAÇÃO PARA OS PRÓXIMOS CAMPEONATOS INTERNACIONAIS DE FISICULTURISMO NATURAL E A NOVA MODA RADICAL NAS ACADEMIAS


Demorei? Desculpe, ando às voltas com mil assuntos, mudanças, planos e estratégias para o futuro próximo.

Desculpe também pelas fotos atrasadas deste post, feitas durante um treino de costas e que já têm quase um mês!

Pernas, braços, axilas... Meu corpo ainda bem manchado pela pintura com tinta Protan usada no campeonato brasileiro, em 13 de julho, no Rio de Janeiro.


Claudia Vilaça - 51 anos - 25/julho/2013
Fisiculturismo Natural


Claudia Vilaça e Andrea Carvalho - 25/julho/2013
Fisiculturismo Natural


Já estou diferente dessas fotos do dia 25 de julho, tiradas pela Fabi Carvalho, irmã gêmea da Andrea Carvalho.

A Fabi nos fez uma visita na academia bem no dia em que decidimos aumentar todas as cargas, por isso vou pedir desculpas pela terceira vez: é favor não reparar nas caretas.


Claudia Vilaça e Andrea Carvalho - 25/julho/2013
Fisiculturismo Natural


Na minha preparação para os campeonatos internacionais de fisiculturismo natural - já no segundo semestre de 2013 -, os treinos estão cada vez mais intensos.

Foco em hipertrofia, mantendo-me seca e no padrão da categoria Figure, ou seja, sem perder definição, o que é um grande desafio.

DIETA de muito baixo carboidrato 100% orgânica e controlada, sete dias da semana; quatro ou cinco refeições por dia à base de bastante gordura e proteína moderada. 

Para beber, apenas água alcalina com baixo teor de sódio. 

Antes e depois da musculação, óleo de coco virgem orgânico. 

Zero suplementos.

Cada treino é mais intenso que o anterior, mais difícil, mais árduo, e eu adoro isso. Gosto da força, gosto da sensação de poder que toma conta do meu corpo, gosto da dor.


Claudia Vilaça e Andrea Carvalho - 25/julho/2013
Fisiculturismo Natural


Claudia Vilaça e Andrea Carvalho - 25/julho/2013
Fisiculturismo Natural


Mas hoje vim contar que estou prestes a lançar uma nova moda nas academias de ginástica.

O que você acha que é? Alguma roupa, um acessório esportivo, sapatilhas de treino?

Nada disso!


Claudia Vilaça - 51 anos - 25/julho/2013
Fisiculturismo Natural


Claudia Vilaça - 51 anos - 25/julho/2013
Fisiculturismo Natural


Andrea Carvalho e Claudia Vilaça - 25/julho/2013
Fisiculturismo Natural


Andrea Carvalho e Claudia Vilaça - 25/julho/2013
Fisiculturismo Natural


Claudia Vilaça e Andrea Carvalho - 25/julho/2013
Fisiculturismo Natural


Sentiu o drama? Pelas fotos você já deve ter adivinhado qual é a tal nova moda.

Treinando assim, primeiro machuquei feio a bochecha. 

Estava tão concentrada e fiz tanta força que só me dei conta do estrago quando senti gosto de sangue na boca.


Claudia Vilaça - 51 anos - 25/julho/2013
Fisiculturismo Natural


Claudia Vilaça - 51 anos - 25/julho/2013
Fisiculturismo Natural


Dias depois da bochecha mastigada e ainda dolorida, fazendo um exercício pesado de tríceps, eu ouvi um estalo. Não liguei, fui em frente e terminei a série. 

Imaginei que pudesse ter quebrado um dente, tamanha a força. Foi então que percebi a lasquinha de dente na boca, cena típica de filme de pancadaria.


Antes que o meu filme de ação vire tragédia (e eu, uma velhinha banguela) e o próximo ato seja cuspir sangue E dentes, causando tumulto e assustando os frequentadores da academia, meu dentista aconselhou o uso de uma placa de proteção. "Transparente e discreta", segundo ele.

Eu logo pensei que o doutor me faria colocar uma daquelas coisonas de borracha dos lutadores de boxe. 

No começo achei a idéia esquisita, mas já estou me acostumando e decidi dispensar o material transparente e partir logo para algo mais divertido.

Que tal treinar musculação usando protetor bucal colorido feito sob medida, combinando com o top e o shortinho!


Claudia Vilaça - 51 anos - 25/julho/2013
Fisiculturismo Natural


Claudia Vilaça - 51 anos - 25/julho/2013
Fisiculturismo Natural


Claudia Vilaça - 51 anos - 25/julho/2013
Fisiculturismo Natural


Claudia Vilaça - 51 anos - 25/julho/2013
Fisiculturismo Natural


É claro que não é possível "moderar o esforço", como recomendou o dentista.

Muito pelo contrário, doutor, eu quero mais, cada vez mais. 

Agora é só o começo; na minha categoria - INBA Grand Master Ms Figure (de 50 a 59 anos) - as atletas naturais têm padrão internacional e acumulam vitórias ao longo de anos de competições.

Com ou sem dentes e com sangue nos ferros, Las Vegas, Hollywood, San Diego, aí vou eu!


Fabi Carvalho, Claudia Vilaça e Andrea Carvalho 
25/julho/2013


Claudia Vilaça e Fabi Carvalho 
25/julho/2013


Leia também:








domingo, 4 de agosto de 2013

(8) HIPERTROFIA - DOMINGO DE PANTURRILHAS E DROP SETS + DIVISÃO DE TREINOS 6 POR 1


Elas não aparecem aí nas fotos tiradas no vestiário da academia, mas hoje - domingo - foi um dia dedicado às PANTURRILHAS.

Tenho feito um treino semanal especial para esta parte do corpo que considero um dos meus pontos mais fortes.


Claudia Vilaça - 51 anos - 04/agosto/2013
Fisiculturismo Natural


Antes eu colocava as panturrilhas no fim do treino de costas e de posteriores de perna + glúteos.

Aí separei as costas das pernas, mas ainda mantive o trabalho das panturrilhas com o resto de energia que sobrava depois de muitas flexões de pernas - horizontal, sentada, vertical/unilateral -, adutora, stiff, "Glúteos em Chamas" e abdutora. 

Ou seja, quando chegava a hora das pobres das panturrilhas, eu já estava nas últimas, quase falecendo: um pé na cova, o outro tentando encontrar forças para sustentar meu peso e levantar alguns centímetros.



Claudia Vilaça - 51 anos - 04/agosto/2013
Fisiculturismo Natural


Agora as PANTURRILHAS têm a atenção que merecem!

Gosto de treiná-las com bastante peso, cargas altas mesmo, e fazer quantas repetições conseguir até falhar. Aí diminuo a carga e continuo até falhar de novo, e assim sucessivamente, várias vezes, sem intervalo.

Só paro quando não consigo mais descolar o calcanhar do chão sem usar peso nenhum. 

Então descanso por alguns segundos e recomeço.


Hoje fiz 3 exercícios, 6 séries completas de cada, sendo que uma "série completa" pode ter um DROP SET de até 8 níveis.

Os DROP SETS são a minha técnica favorita para HIPERTROFIA. 

Alta intensidade, eficiência para romper as fibras e gerar um aumento de massa muscular além do comum. 


Claudia Vilaça - 51 anos - 04/agosto/2013
Fisiculturismo Natural


Utilizo os DROP SETS sempre, especialmente no treino de posteriores de perna.

Bolei uma série mortal começando com cargas bem pesadas até a falha, baixando um pouco o peso e continuando até falhar novamente, como descrevi acima. Isso na flexora horizontal, na cadeira flexora, no good morning e no stiff, ah, no stiff sinto arder o corpo inteiro, acaba "pegando" lombar, glúteos, toda a parte de trás das coxas e as panturrilhas.


Você reparou como as minhas pernas cresceram?

Em seguida, no próximo post, vou colocar umas FOTOS da semana passada, durante o treino de costas. Por elas é possível notar a evolução e o sucesso da atual DIVISÃO DE TREINOS 6 POR 1 voltada para HIPERTROFIA.


Claudia Vilaça - 51 anos - 04/agosto/2013
Fisiculturismo Natural


Minha PROGRAMAÇÃO DE TREINOS:

DIVISÃO DE TREINOS 6 POR 1 
- SEIS dias de treino, UM de descanso -

Dia 1 - A - panturrilhas
Dia 2 - B - ombros e abdominais  
Dia 3 - C - pernas (completo, com ênfase nos quadríceps) e glúteos
Dia 4 - D - braços (bíceps e tríceps) e peito
Dia 5 - E - costas e abdominais
Dia 6 - F - pernas (posterior da coxa) e glúteos
Dia 7 - DESCANSO


Ah, sobre a minha dedicação ao treino de PANTURRILHAS e a preferência pelos DROP SETS, veja que estou em boa companhia.

O mestre Arnold costumava treinar panturrilhas assim: começava o exercício com três caras de mais de 100 kg cada um montados nas suas costas. Quando não aguentava mais dar nem um pio, o que estava no alto da pilha descia, Arnold continuava com a carga de dois companheiros até a falha. Então descia o segundo, mais repetições e a fadiga. Finalmente saía o terceiro e Schwarzenegger seguia em frente com o peso do próprio corpo, até o fim!




Eu sigo o mesmo princípio do Arnold, só não experimentei ainda a "carga humana" por cima, mas estou louquinha para tentar hahaha. 

Nos bastidores do campeonato paulista senti a potência do homem forte Alex dos Santos, O Coisa, durante o aquecimento, veja aqui:



E você, já treinou com a ajuda de alguém fazendo as vezes de halteres, anilhas e barras? Uma (ou mais de uma!) pessoa no lugar das máquinas?


Leia também: